Mais Radares! Governo aumenta fiscalização nas estradas

Saiba onde se encontram os radares de controlo de velocidade

Mais Radares! Governo aumenta fiscalização nas estradas

O Ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, disse que a “breve prazo” vão entrar a funcionamento 30 radares e admitiu ter dado uma “ordem política” para intensificar a fiscalização rodoviária nas estradas portuguesas.

Miguel Macedo disse aos deputados da comissão parlamentar de Economia e Obras públicas, na audição sobre segurança rodoviária, “Não tenho problema nenhum em assumir que houve ordem política para aumentar as acções de fiscalização rodoviária. Essa ordem não foi cega”. Mais disse que as acções de fiscalização feitas nas estradas portuguesas forma efectuadas com aviso prévio, nomeadamente através dos órgãos de comunicação social.

O Ministro da Administração Interna, acrescentou que com a fiscalização, os acidentes de viação diminuíram e os comportamentos dos condutores mudaram, “Vamos continuar com esse caminho”, sublinhou.

No decorrer da comissão, o ministro referiu que o Código de Estrada vai sofrer uma revisão e que essa está para breve, onde vão ser acrescentados alguns objectivos fundamentais como por exemplo “as regras mais apertadas nas taxas de alcoolemia para os condutores recém-encartados e para os motoristas de táxis, veículos pesados e veículos de mercadorias” e que segundo o ministro, a actual taxa de álcool no sangue vai ser diminuída para os veículos de socorro, de transportes de crianças e de veículos pesados e os jovens também.

Miguel Macedo adiantou igualmente que “a breve prazo” vão estar a funcionar 30 radares, que vão ser colocados em 30 locais urbanos sensíveis. Uma vez que, forma identificados 100 locais perigosos e dos quais foram seleccionados 50 onde vão ser vigiados por radar. 

Booking.com
  • João

    Ainda bem. Já agora fiscalizem também os dispositivos de iluminação das viaturas. Quando viajarem com os filhos, façam um jogo: um conta as viaturas com que se cruzam e o outro conta as que têm pelo menos uma deficiência de iluminação à frente. Vão ficar espantados quando constatarem que estas últimas excedem em muito os 10%. O que vale, é que tudo isto será corrigido quando Portugal entrar para a UE.