Será o combustível todo igual?

Qual é o melhor combustível? O de marca branca ou de marca?

Será o combustível todo igual? Actualmente, questões ligadas à mobilidade levam-nos para “bens de luxo” isto porque os transportes públicos são cada vez mais caros e, viajar em veículos próprios está pela hora da morte, porque o custo dos combustíveis aumentam constantemente.

Quantas vezes não nos deparamos com a dúvida na hora de abastecer o nosso carro: se o combustível varia o seu preço de acordo com as marcas, será o combustível todo igual? Será um combustível low-cost igual aos outros?
Em principio sim! No entanto a dúvida paira sempre no ar e para tirar as dúvidas, a DecoProteste efectuou um estudo sobre a qualidade do gasóleo, onde selecionou os líderes do mercado do gasóleo no respetivo segmento: o Jumbo e o Intermarché, que são ambos low-cost, e a Galp com os seus dois representantes: o gasóleo regular, denominado Hi-Energy, e o gasóleo premium, o G-force. O estudo em questão pretendeu analisar o efeito que o consumo destes gasóleos provocam no veículo.

Alexandre Marvão, responsável por este estudo, explica como o efectuou “Compramos quatro carros iguais, abastecemos com combustíveis distintos e fizemos 12.000 Km em simultâneo com os quatro carros. Pretendia-se verificar quais os efeitos inerentes a cada um dos combustíveis”.

Obviamente, antes de iniciar qualquer tipo de teste, todos os veículos foram verificados de forma a constatar se não haveria qualquer tipo de factor externo que pudesse interferir no resultado final desta experiência, a não ser o combustível utilizado, variável que se pretendia estudar.
“Verificamos que os principais componentes dos automóveis eram iguais, verificamos, por exemplo, o comando central do motor e o seu software, bombas injectoras e injectores e, até mesmo, os pneus” explica Alexandre Marvão, e ainda foram substituídos o óleo e os respectivos filtros de forma a todos os veículos estarem exactamente iguais. Os filtros do gasóleo também foram substituídos de forma a eliminar vestígios de outro combustível utilizado anteriormente, seguindo sempre as recomendações do fabricante. Para que a medição do consumo fosse rigorosa, foram também instalados depósitos especiais que permitem pesar o gasóleo com precisão. Após estas transformações, realizou-se uma pesagem dos veículos, verificaram-se os pneus e efectuou-se o alinhamento das rodas.

Em seguida, os veículos foram levados para o autódromo onde os quatro foram sujeitos a uma exigente prova. Alexandre Marvão explica “os carros foram conduzidos durante um mês por pilotos profissionais. Os pilotos desconheciam os combustíveis em teste e diariamente trocavam de carros”.

De salientar que o abastecimento dos carros foi sempre efectuada de forma anónima, ou seja, o gasóleo foi adquirido em diferentes bombas das marcas escolhidas para este teste. Os carros circulavam diariamente, em coluna, alternando a sua posição. Foram utilizados dois percursos: um a simular a circulação em cidade a velocidade média reduzida e com paragens e outro a simular a circulação em auto-estrada e vias rápidas com velocidades e rotações superiores.

Durante este teste foram verificados alguns parâmetros como por exemplo, se o combustível deu mais potência ao motor, se aumentou ou reduziu o consumo se produziu mais ou menos emissões poluentes .

Foi também verificado o desgaste que o gasóleo produzia em cada carro, ou seja, se de facto existem produtos adicionados ao combustível que protegem o motor. Para isso, foram desmontados os motores e retirados os pistões, uma vez que nos motores a diesel são os componentes onde se verifica o maior depósito de carvão.

Alexandre Marvão explica “a recolha dos pistões foi feita de forma a não se tocar nem no topo nem nas laterais dos pistões porque são as zonas onde se acumulam maiores depósitos”, estes depois de retirados foram embalados e enviados para uma empresa no estrangeiro que efectua este tipo de análises de acordo com as normas internacionais.

Após estes testes, a DecoProteste chegou à seguinte conclusão:

Qualquer um dos quatro gasóleos testados deu consumos, emissões poluentes e desgaste semelhantes. Assim, se abastecer com a Galp (regular ou premium), no Jumbo ou no Intermarché o desgaste no seu veículo será o mesmo por isso olhe pela sua carteira e opte pelo mais barato!

Vídeo

Booking.com