Paulo Neto e Vitor Hugo no Rali Vidreiro pela vitória

A dupla regressa ao Campeonato de Portugal de Ralis

Paulo Neto e Vitor Hugo no Rali Vidreiro pela vitória

Paulo Neto e Vitor Hugo no Rali Vidreiro pela vitória. A dupla regressa ao Campeonato de Portugal de Ralis.

Repetir o desempenho de 2017 é a vontade da dupla Paulo Neto e Vitor Hugo e para isso contam vencer no Rali Vidreiro. Após a ausência regulamentar no Rali de Portugal, a dupla Paulo Neto e Vitor Hugo regressam ao Campeonato de Portugal de Ralis.

O objectivo da dupla é, como sempre, lutar pelos melhores lugares nas duas rodas motrizes no Rali Vidreiro e, se possível, repetir a vitória de 2017.

Depois de quatro provas em pisos de terra, o Campeonato de Portugal de Ralis entra agora na segunda fase da temporada. A prova vai ser totalmente realizada em pisos de asfalto. A primeira foi na Marinha Grande, com o tradicional Rali Vidreiro. Paulo Neto / Vitor Hugo voltam a integrar a caravana do Campeonato de Portugal de Ralis, para discutir as melhores posições nas duas rodas motrizes.

Declarações de Paulo Neto

“Em primeiro lugar quero associar-me ao Clube Automóvel da Marinha Grande na homenagem que o Rali Vidreiro vai prestar ao Pinhal do Rei, depois dos dramáticos incêndios de 2017. Será certamente com um sentimento de tristeza que iremos passar pelos troços do Pinhal e, por isso, nada melhor que estarmos ao volante de um carro de ralis para podermos prestar a nossa homenagem”, refere Paulo Neto. Acrescentando que, “apesar dos troços serem semelhantes a 2017, certamente que vamos passar a ter outras referências para abordar estes troços, já que a visibilidade vai ser maior. Mas, por outro lado, também iremos encontrar o asfalto muito sujo e traiçoeiro o que nos exigirá redobrados cuidados”.

Mesmo assim os objetivos, desportivamente falando, para o piloto do Citroen DS3 R3 Max passam por “lutar por um lugar no pódio, como normalmente acontece. Sabemos que o nosso carro tem algumas vantagens nas longas retas dos troços do Pinhal, pelo que vamos tentar aproveitar isso para discutir a melhor posição possível nas duas rodas motrizes, mas os restantes troços são mais favoráveis aos R2. É certo que em 2017 vencemos este rali, que dominamos durante grande parte do mesmo, mas isso não nos traz qualquer pressão adicional”.