Novo Sistema Tri-turbo Diesel! BMW explica tudo

Novo Sistema Tri-turbo Diesel! BMW explica tudo

A BMW lançou um vídeo mudo que explica o funcionamento do sistema tri-turbo, a estrear nos fenomenais M550d e companhia. Por achar que talvez não fosse melhor forma de explicar o funcionamento de um sistema tão espetacular como este e foi por esta razão que entendemos escrever este artigo. O video encontra-se no fim do artigo.

Este espetacular sistema tri-turbo da BMW, torna-se mais fácil de explicar no papel do que o executar na prática.

Já explicamos noutros artigos que os turbos funcionam graças ao fluxo de gases de escape que impulsionam as suas turbinas a girar no sentido de comprimir o ar para a admissão. Em boa verdade, a última função do turbo é aumentar a quantidade de ar, e por conseguinte de oxigénio, para melhorar a combustão, e como nós sabemos, quanto mais oxigénio na combustão, significa combustões mais intensas e por apenso mais potência.

 BMW Turbo BMW Turbo

A capacidade que um turbo tem de fornecer ar comprimido ao motor está directamente ligado com a sua dimensão. Assim sendo, quanto maior, mais ar consegue admitir para o motor. Contudo, os construtores não costumam a utilizar turbos de grandes dimensões nos seus veículos e isso tem uma explicação: turbo lag. É um fenómeno que ocorre quando os turbos têm dimensões muito grandes, e por isso só funcionam quando o motor está a funcionar em regimes mais elevados.

Foi para evitar esse turbo lag e o enfraquecimento nas rotações mais baixas devido às grandes dimensões do turbo, ou falta de pulmão nas rotações mais altas devido à sua pequenez, que a BMW decidiu estabelecer uma arquitectura de três turbos nas suas novas unidades motrizes diesel de 6 cilindros.

O turbo mais pequeno é assegurar doses substantivas de ar ao motor desde as rotações mais baixas. O de maiores dimensões entra em funcionamento nos regimes intermédios e que é o principal responsável pela principal fatia de potência, e um último igualmente de pequenas dimensões, presta auxilio ao motor na reta final do ponteiro das rotações.

Desta forma a BMW conseguiu fabricar um motor que disponibiliza potência desde as baixas rotações e mantém a capacidade de “respirar” até ao red-line.

Contudo é importante salientar que a marca bávara não foi a primeira a lançar motores com mais de dois turbos. Por exemplo, o Bugatti Veyron monta nada mais nada menos do que 4 turbos. Mas também é verdade, que o faz num motor de 16 cilindros, o que faz do feito tecnológico da BMW um marco muito mais assinalável.

Booking.com