Novo Honda Civic 1.0 i-VTEC Turbo

Ensaiámos o novo Honda Civic 1.0 i-VTEC Turbo e ficamos absurdamente maravilhados

Novo Honda Civic 1.0 i-VTEC Turbo

Novo Honda Civic 1.0 i-VTEC Turbo. Ensaiámos o novo Honda Civic 1.0 i-VTEC Turbo e ficamos absurdamente maravilhados.

Foi com muito agrado que experimentamos o Honda Civic 1.0 i-VTEC Turbo e queremos agradecer o convite endereçado, quer pela Sōzō Portugal, S.A., quer pelo Concessionário Honda Citiauto em V.N. Gaia.

Na realização deste ensaio decidimos que o iríamos fazer dentro de um contexto real de condução quotidiana. Ou seja, utilizamos o Honda para circular dentro das cidades do Porto, Maia e Matosinhos em hora de ponta e horas de menor intensidade de trânsito. Para além dos circuitos de interior de cidade fizemos também, circuito exterior à cidade e auto-estrada. Circuitos que nos permitiram apanhar trajectos rápidos e sinuosos. Quanto aos pisos utilizados no ensaio, apanhamos asfalto, paralelo e terra batida de piso linear.

Dia do levantamento do automóvel para ensaio

No dia em que fomos levantar o novo Honda íamos com a sensação de que iríamos testar mais uma bela máquina, tal como a Honda nos habituou. O que não sabíamos é que estávamos prestes a ser surpreendidos pelo fantástico produto que a Honda acabava de colocar no mercado.

Ao ver pessoalmente o novo Honda, a primeira reação foi a de estar perante um veículo desportivo, dinâmico, potente, bonito, elegante e harmonioso. Muito bem desenhado.

Abrimos a porta e sentimos de imediato que este novo Honda era muito diferente do que estávamos habituados. O abrir e fechar da porta passou uma sensação de muita qualidade de construção e excelente montagem dos materiais utilizados. Um bater de porta muito compacto e robusto. Não parecia nada o bater de porta característico da Honda.

Com a chave do carro inteligente só precisamos de premir o botão Start e subitamente escutamos um motor suave. Colocamos o carro lentamente em marcha dentro da concessão. Assim que chegamos à rua tivemos mesmo que o fazer dada a vontade que tínhamos em sentir o que este motor tricilindrico

Vamos começar o ensaio

Antes de ligar o carro vamos começar por fazer referência à versão testada, um Honda Civic 5P 1.0 i-VTEC TURBO EXECUTIVE PREMIUM. Uma versão recheada do que de melhor há na indústria automóvel. Desde o chassis, aerodinâmica, motor, suspensão, segurança, conforto, tecnologia, Gadgets, e materiais usados. A 10.ª geração do Honda Civic vem preparado para tudo.

Design de exterior

No exterior ficamos desde logo surpreendidos pelo a cor azul. Habituados a pretos, brancos e cinzentos, ficamos encantados com a energia que este azul confere ao novo Civic. Mas, tendo em conta as suas linhas bem desportivas, acreditamos que o Civic ficará bem em qualquer cor.

Apesar de não ser uma ideia consensual, todo no Civic foi estupendamente bem desenhado, desde a traseira até à frente, quer por fora, quer no interior. Pelo menos, essa é a nossa opinião.

O novo design aliado ao facto do Civic utilizar uma nova plataforma, que é mais larga (30mm), mais comprida (136mm) e mais baixa (menos 20mm), que o seu antecessor, faz com que seja ainda mais desportivo, dinâmico e a sua aerodinâmica tornam-o mais eficiente do que já era.

À frente, sobressaem as duas enormes e esculpidas entradas de ar que parecem querer sair da carroçaria. A presença da grelha central que alberga o logo da Honda é acompanhada na parte superior por uma linha preta que se desloca até aos faróis e que lhes confere uma personalidade muito pessoal. No caso do modelo testado, a versão executive, os faróis estão equipados com tecnologia LED, tornando-o ainda mais atrativo.

Na traseira encontramos igualmente duas enormes entradas de ar e um estilo “coupé”. No entanto, achamos que em termos de design, estas entradas de ar tiraram a altura que poderia ser suficiente para o tornar ainda mais robusto. O equilíbrio é conseguido através do segundo spoiler que fica ao nível da abertura da bagageira. Este, é de cor preta e prolonga-se até ópticas bem desenhas e que demarcam bem a extremidade do veículo.

No perfil temos de referir os vidros escurecidos das janelas traseiras, o aro cromado que demarca o contorno das janelas e conseguimos também perceber bem as linhas agressivas e demonstrativas de dinâmica, movimento e velocidade. São as linhas vectorizadas que dão esse toque.

Por fim, não podemos deixar de falar nas jantes especiais de 17″ de cor preto brilhante com cinco braços em forma de hélice. Muito bonitas.

Design de Interior

Se no exterior o Design foi bem conseguido, no interior o resultado foi ainda muito, muito melhor. Até porque a nossa expectativa era a de encontrar um interior pobre, característico deste construtor nipónico.

Começamos desde logo por chamar atenção do leitor para a excelente qualidade dos materiais utilizados, bem como a excelente aplicabilidade dos mesmos. A disposição de todos os elementos úteis à navegação estão muito bem dispostos o que por si só torna a condução mais fácil e aumenta o prazer que se tem a bordo do novo Civic.

As linhas utilizadas na concepção do interior conseguem juntar o conforto à irreverência de um carro jovem e desportivo.  Parece-nos que o construtor nipónico teve o cuidado suficiente para abranger os dois públicos-alvo, ou seja, os mais jovens e os mais conservadores. Não esquecer o excelente trabalho que os designers tiveram a desenhar os layouts dos dispositivos do painel de bordo e das apps e funcionalidades que o ecrã tátil oferece. Depois, o painel de instrumentos digital vem com integração do novo sistema Honda Connect, capaz de espelhar smartphones Android e iOS. Para os ver em grande há um ecrã tátil na consola central.

Os bancos

Este foi um dos pontos que achamos mesmo fenomenal. Em primeiro lugar o o seu design, simplesmente soberbo. Depois, quer nos bancos dianteiros, quer nos traseiros, o apoio de pernas, lombar, lateral e posicionamento da cervical é perfeito. Ou seja, excelente quer no conforto, quer na postura. Do melhor que já testamos, chegando mesmo a ser superior a alguns dos que encontramos em segmentos superiores. Bancos mais baixos reforçam o espírito desportivo e criam mais espaço para pernas.

Esta versão vem equipada com estofos em pele connelly e tem a função de aquecimento de bancos à frente e nos lugares traseiros. A pele connelly é uma pele que tem cones invertidos e que permitem uma melhor circulação do ar, aumentando a capacidade de absorção do suor. Os bancos estão agora um pouco mais baixos, libertando assim mais espaço para pernas.

O Volante

Volante Hona Civic

O volante é de três braços, multifunções, forrado a pele com acabamento metal, preto brilhante, com regulação em altura e profundidade. Ao toque, o volante é muito suave e fácil de manobrar. Se fosse um pouco mais pequeno, ficava perfeito. Os comandos nele inseridos são de fácil manuseio e intuitivos.

Quer em regime de manobra, quer em regime de condução calma ou desportiva, o toque no volante revela uma direcção muito precisa e eficiente.

Tablier, painel de bordo, painel de instrumentos e consola central

Painel e consola central do Honda CivicPainel de bordo Honda Civic

Mais uma vez há que dar os parabéns à equipa de designers da Honda.

Um painel de instrumentos completamente novo mostra que a Honda está atenta à tendências do mercado. Este painel exibe para além de uma nova disposição gráfica, que recorre ao uso de cores diferentes para mostrar o estado da condução que está a fazer, um velocímetro, conta-rotações e em formato digital e o controlador de várias funções de info-entretenimento acessíveis pelos comandos no volante.

Ao centro do tablier, encontramos um novo ecrã tátil de 7”, cujo sistema é compatível com Apple CarPlay e Android Auto. No Layout deste ecrã temos à disposição e de uma forma muito intuitiva, as funções de gestão de telemóvel (lista de contactos, últimas chamadas realizadas e recebidas e outras coisas mais), GPS, ar condicionado, rádio, etc… .

Chamamos também atenção para o sistema “aha”, que através de um simples registo permite aceder ao mundo digital que normalmente acede via smartphone.

A Segurança

No que toca à segurança a Honda não “facilitou”. Aqui, na segurança o Civic também está muito forte.

Neste capítulo contamos com luzes de máximos automáticas, cruise-control adaptativo e alerta de transposição de faixa com correcção de volante, aviso de ângulo morto, reconhecimento de sinais de transito e alerta de colisão frontal com travagem activa de emergência, controlo de estabilidade dinâmica, Modo Dynamic para os amortecedores, sistema de retenção pré-programada aos cintos de segurança e carroçaria com deformação pré-preconizada. ABS de última geração com sistema de ajuda à travagem de urgência e câmara de ajuda ao estacionamento com eliminação de ângulos mortos e aviso de aproximação de objectos em movimento, por exemplo veículos e peões.

O Civic continua a mostrar respeito pelos peões, mantendo-se como um dos veículos que menos danos causa aos mesmos em caso de embate.

Já tínhamos referido que os bancos eram fantásticos. Mas, para além de um outro factor que vamos abordar um pouco mais abaixo, foi a segurança que nos surpreendeu.

Sensores de segurança

Ao nível dos sensores que nos notificam das adversidades que nos circundam, demonstraram muita eficiência. Estamos a falar nos sensores de aviso de ângulo morto, aviso de ultrapassagem, alerta de transposição de faixa com correcção de volante, reconhecimento de sinais de trânsito e alerta de colisão frontal com travagem activa de emergência.

Câmera de assistência ao estacionamento derivado à sua grande angular consegue eliminar os ângulos mortos e avisa o condutor assim que avista a aproximação de um peão ou veículo.

Câmara de assistência ao estacionamento

Depois temos os outros sensores, as luzes de máximos automáticas (bom auxilio quando circulamos em ambientes de visibilidade praticamente nula).

O Cruise-control adaptativo, (este que quando as linhas delimitadoras de faixa de rodagem são bem demarcadas, consegue não só manter a velocidade de cruzeiro, bem como seguir de forma quase autónoma seguindo a trajectória dessas linhas. Atenção, a Honda adverte que em caso algum o condutor deva retirar as mãos do volante).

Honda Civic

Controlo de estabilidade dinâmica que confere estabilidade adicional quando o piso oferece condições de aderência duvidosa.

O Modo Dynamic para os amortecedores, quando o acionamos é como se estivéssemos a colar o carro à estrada. Com este sistema ligado sentimos que o carro fica um pouco mais duro, mas, não perde o conforto. Com o Modo Dynamic activado o prazer de curvar é enorme.

Honda Civic Modo Dynamic

Sistema de retenção pré-programada

Sistema de retenção pré-programada aos cintos de segurança. Ou seja, em caso de embate frontal, o cinto reajusta na zona ventral impedindo que o ocupantes da viatura escorreguem por debaixo do cinto. E, alivia de forma preconizada a três tempos na zona do esterno e clavícula evitando assim o seu estrangulamento.

Carroçaria vem com deformação pré-preconizada

Já a carroçaria vem com deformação pré-preconizada,ou seja, a chapa apresenta-se com zonas de deformação pré-concebidas. Este sistema permite que em caso de embate a chapa deforme por forma a evitar danos no interior e a conseguir uma maior absorção da energia que sofre por via do embate.

Jantes de 17 polegadas

As jantes de 17 polegadas em liga leve e os pneumáticos Michelin Primacy 235/45R17 94W, que foram considerados como Nº 1 no teste pneus de verão realizado por ADAC, Nº1 em travagem em solo secoNº1 em travagem em solo molhado e um dos mais eficientes em aderência em curva, conferem um melhor comportamento dinâmico do Civic.

Jantes Especiais

A Direcção

A direcção é outro factor de elevada relevância. Trata-se de uma uma inédita direção elétrica com assistência progressiva. Muito fácil de manobrar, precisa, leve, eficiente e directa.

Caixa de Velocidades

Gostamos muito da caixa de velocidades. É rápida na resposta, bem escalonada e macia. Porém pareceu-nos pouco elástica.

Motor

O motor do novo Honda Civic é simplesmente fantástico. Em primeiro lugar temos que dizer que estamos perante um motor muito económico. Com uma condução calma o novo Civic consegue consumos incríveis de apensas 5,5 Lts aos 100 kms. Mas, isto era algo que efectivamente estávamos à espera, tendo em conta que é algo que a Honda já nos habituou.

Potência, é algo que também já estávamos habituados nos carros da Honda. Agora, um motor tricilíndrico com tal performance é que não estávamos mesmo nada à espera.

Voltamos ao dia em que o ligamos pela primeira vez. Saímos da concessão e entramos na estrada e de imediato o motor se fez notar. Com uma suavidade incrível no pedal de acelerador, assim que o pressionamos um pouco mais, o motor disse presente. E, disse-o de tal forma que ficamos estupefactos com tal resposta.

O novo motor 1.0 Litros Turbo VTEC é absolutamente magnifico. É um bloco de três cilindros em linha de 988 cm3, de injecção directa com turbo. Tem uma taxa de compressão de 10,0, um binário máximo 200 Nm às 2250 rpm e uma potência máxima de “129 cv”  às 5500 rpm. O bloco conta também com o célebre sistema VTEC e por isso o turbo é ligeiro e não muito agressivo para evitar entrar em choque com aquele sistema.

Outra coisa que ficou bem patente é que, se não soubéssemos que iríamos experimentar um bloco de três cilindros, ficaríamos com a ideia de que para um 4 cilindros o motor era excelente.

Este motor permite com muita facilidade andamentos suaves e vivos, capaz de conferir um prazer de condução ao nível de alguns desportivos.

 O Chassis / comportamento dinâmico

A sua nova plataforma é agora mais baixa, mais larga e mais comprida. Mas, o efeito que esta provoca ao nível do comportamento dinâmico do novo Civic é soberbo. O carro tem um equilíbrio fantástico em quase todas as situações e um comportamento excelente que não prejudica o conforto. Tal como relatei no vídeo, o Civic é uma lapa. Já não curvava tão bem há algum tempo.

O carro tem um equilíbrio fantástico em quase todas as situações e um comportamento excelente que não prejudica o conforto. A suspensão absorve de forma impressionante os ressaltos da estrada e mesmo em ritmo forte, o Civic não exige especial atenção ou empenho para curvar depressa e bem. Muda facilmente de direção, sempre controlado e equilibrado com alguma sensibilidade na direção, algo sempre bem-vindo nos dias que correm, e uma precisão que impressiona. E com o modo Dynamic para os amortecedores, o Civic tem um comportamento excelente que prejudica um nadinha o conforto. A excelente posição de condução e o facto de estarmos sentados com o rabo quase no chão, permite sentir como funciona bem o chassis.

O ruído emanado pelo motor não incomoda, a vivacidade a subir de rotação surpreende e a capacidade para mexer de forma competente o Civic deixou-me espantado. Um excelente motor muito bem acompanhado por uma caixa excelente.

A Suspensão

A responsabilidade de um comportamento dinâmico tão eficiente não se deve somente à nova plataforma. O novo sistema de suspensão do Civic é responsável por uma grande parte deste excelente comportamento dinâmico.

Agora, a suspensão do Civic oferece 2 modos: O Dynamic e o Normal que ajustam a rigidez para uma condução exigente, desportiva e precisa ou para um maior conforto para o dia-a-dia.

Tudo isto se deve ao facto da nova suspensão incorporar novas tecnologias. Como é o caso da suspensão traseira multibraço que reforça o posicionamento dinâmico.

Economia de combustível

A este modo de suspensão juntamos o tradicional “modo Eco” já presente na maioria dos automóveis. O botão “ECO” é acionado quando pretendemos privilegiar os consumos de combustível.

Foto galeria Honda Civic 1.0 i-VTEC Turbo

Conclusão

O sentimento que temos ao terminar este artigo é o mesmo que tivemos quando fomos devolver o Honda. Ou seja, foi um sentimento de tristeza. Foram mesmo muitas as boas experiências que tivemos com este Honda Civic.

Das informações que fomos absorvendo, quer por nossa parte, quer por terceiros, é consensual que o design de exterior poderia ser um pouco melhor. Mas, depois de o usarmos e convivermos com ele acabamos por gostar e muito do seu estilo.

Mas, o que fica é o positivo. O seu interior muito bem desenhado, intuitivo, confortável, hi-tech e seguro. Cá fora, temos um carro desportivo, dinâmico e poderoso. Os consumos do Civic, tendo em conta as suas prestações, o motor e os seus concorrentes é um dos mais económicos.

Como nem tudo é perfeito e o Honda Civic também apresentou algumas, apesar de serem poucas, deixamos a nossa nota negativa para o buzina. Um automóvel com tanta personalidade merecia uma buzina com mais personalidade.

O que é que nós recomendamos?

Como não somos todos iguais, recomendamos que passe por um concessionário Honda e solicite um teste drive. Acreditamos que vai ficar surpreendido pela positiva. Faça isso e bom teste drive.

P.S. – Quase que nos esquecíamos, o preço da unidade testada é de 29.730,00€. 

Vídeo Oficial da Honda

Deixamos-lhe a ficha técnica do novo Honda Civic 1-0 i-VTEC Turbo e os nossos vídeos. Ficando desde já convidado para os próximos teste drive do Automoveis-Online e a seguir-nos na nossa página de Facebook.

FICHA TÉCNICA Honda Civic 1-0 i-VTEC Turbo

Motor 3 cilindros em linha, injeção direta, turbo; Cilindrada (cm3)988; Diâmetro x curso (mm) 73 x 78,7; Taxa compressão 10,0:1; Potência máxima (cv/rpm) 129/5500; Binário máximo (Nm/rpm)200/2250; Transmissão e direcção Tracção dianteira, caixa manual de 6 velocidades; direção de pinhão e cremalheira, com assistência elétrica; Suspensão (fr/tr) Independente, tipo McPherson; independente, multibraços; Dimensões e pesos (mm)Comp./largura/altura  4518/1799/1434; distância entre eixos 2697; largura de vias (fr/tr) 1537/1565; Travões (fr/tr) Discos ventilados/discos; Peso (kg) 1275; Capacidade da bagageira (l) 420; Depósito de combustível (l) 46; Pneus (fr/tr) 215/55 R16 (235/45 R17); Prestações e consumos aceleração 0-100 km/h (s) 8,4; velocidade máxima (km/h) 200; Consumos Extra-urb./urbano/misto (l/100 km) 5,0/7,9/6,1; emissões de CO2 (g/km) 139;

Booking.com