Escândalo Volkswagen. Falha de segurança afecta 100 milhões de carros

Um equipamento que custa apenas 35 euros pode abrir a porta a cerca de 100 milhões de Volkswagen

Escândalo Volkswagen. Falha de segurança afecta 100 milhões de carros. E tudo por causa de um equipamento que facilita a abertura de portas e só custa euros.

Ainda não refeita do escândalo das emissões em que a Volkswagen se viu envolvida, eis que chega agora outra grande dor de cabeça. Desta vez o problema está relacionado com uma falha de segurança. Esta falha permite que os ladrões mais dotados possam abrir as portas dos carros equipados com um sistema de abertura de portas por controlo remoto.

A falha de segurança aplica-se a todos os veículos do grupo alemão, que foram construídos nos últimos 20 anos. As marcas do grupo que foram afectadas são a Volkswagen, Audi, Skoda e Seat, que num total são cerca de cem milhões de veículos.

O problema foi detectado por uma equipa de cientistas da Universidade de Birmingham, que descobriu que um dispositivo sem fios que pode destrancar as portas dos carros accionados por controlo remoto.

Segundo a versão da revista Wired, que explica que há dois tipos de ataques: O primeiro, incide nos milhos de carros fabricados pelo grupo Volkswagen;
O segundo, incide nos milhões de automóveis de marcas como Alfa Romeo, Citröen, Fiat, Mitsubishi, Nissan, Opel e Peugeot.

Mas, há algo em comum nos dois tipos de ataques, estamos a falar de um pequeno dispositivo de rádio. Este dispositivo capta os sinais do sistema de autenticação de controlo remoto. Os ladrões, depois de receberem essa informação, só têm que associar a um software ligado a um computador portátil ou mesmo uma pequena placa Arduíno, que custa 35 euros.

Em declarações à referida revista, o cientista Flavio Garcia, “É possível construir um dispositivo que replica o controlo remoto original”.

Segundo o cientista, no caso dos automóveis do grupo Volkswagen, a abertura não é de todo fácil, mas, basta encontrar um componente instalado na rede interna destes carros. Depois de descoberto, é só extrair uma chave comum a milhões de veículos do gigante automóvel. Depois disso, basta o rádio captar outro sinal para combinar os dois números secretos num clone do sistema de autenticação.

Segundo o especialista na matéria, da Universidade de Birmingham “A partir daí, pode-se criar um controlo remoto que tranca e destranca os carros quantas vezes quiser”.

Os modelos do grupo Volkswagen que utilizaram a plataforma MQB, ou seja, os novos Audi A3, TT e Volkswagen Golf e Tiguan, estão livres deste problema.

O Grupo Volkswagen emitiu um comunicado a tranquilizar os seus clientes de que os atuais modelos Golf, Tiguan, Touran e Passat são seguros e não estão em risco. Contudo, nada referiu acerca dos modelos afectados.

As falhas vão ser reveladas, com algum detalhe, esta sexta-feira na Usenix (Associação de Sistemas Avançados de Computadores) em Austin, Texas (EUA).

Esta é a lista dos veículos do grupo Volkswagen que estão afectado:

Audi: A1, Q3, R8, S3, TT;

Volkswagen: Amarok, (New Beetle, Bora, Caddy, Crafter, e-Up, Eos, Fox, Golf 4, 5 e 6, Golf Plus, Jetta, Lupo, Passat, Polo, T4, T5, Scirocco, Sharan, Tiguan, Touran e Up;

Seat: Alhambra, Altea, Arosa, Cordoba, Ibiza, Leon, Mii e Toledo;

Skoda: City Go, Roomster, Fabia 1, Fabia 2, Octavia, SuperB e Yeti.

Esta é a lista dos veículos das outras marcas afectadas:

Alfa Romeo: Giulietta (2010);

Citröen: Nemo (2009);

Dacia: Logan II (2012);

Fiat: Punto (2016);

Ford: Ka (2009 e 2016);

Lancia: Delta (2009);

Mitsubishi: Colt (2004);

Nissan: Micra (2006);

Opel: Astra (2008), Corsa (2009), Vectra (2008) e Combo (2016);

Peugeot: 207 (2010), Boxer (2016);

Renault: Clio (2011) e Master (2011).

Booking.com