Conta-quilómetros Adulterados. Como os detectar?

Será que há forma de detectar se um automóvel foi alvo de viciação do conta quilómetros?

Conta-quilómetros Adulterados. Como os detectar? Será que há forma de detectar se um automóvel foi alvo de viciação do conta quilómetros?

Este, é um daqueles assuntos que gostaria de ver esclarecidos, até porque, é uma questão que quase todos os consumidores, fazem na hora de comprar um carro usado.

Antes de mais é preciso esclarecer que, trocar um conta-quilómetros por outro com menos quilómetros, não é a mesma coisa que adulterar um conta-quilómetros. Adulterar é a mesma coisa que viciar um conta-quilómetros e constitui crime punível com prisão. Isto porque, é flagrante a intenção do vendedor em burlar o comprador. No primeiro caso, não poderá ser entendido dessa forma, desde que, o vendedor comunique ao comprador quais os reais quilómetros que a viatura tem e o faça por escrito.

A tarefa de trocar um conta-quilómetros ou a sua viciação é algo que é muito fácil de fazer. Sendo que os conta-quilómetros digitais, são hoje os mais fáceis de manipular.

Para o fazer, basta utilizar um computador com um programa especifico, que se liga ao veículo através de uma tomada OBD “On Board Diagnosis” e através de um programa informático especifico, digitar a quilometragem que se deseja.

Se ao nível informático é relativamente fácil apagar o registo dos quilómetros anteriores, é na componente mecânica do veículo que se poderão verificar indícios de que a viatura já teve mais quilómetros do que aqueles que apresenta.

Mas, como é que um comprador pode ter a percepção que está na presença de um veículo com conta-quilómetros adulterado?

Em boa verdade, não é de todo uma tarefa fácil. Isto porque, basear a análise só no desgaste da viatura, não é, nem pode ser regra. Até porque, sabemos que existem veículos em que a sua utilização é mais intensa em circuito citadino e que neste caso, o desgaste de determinados órgãos é maior do que outros.

No entanto, fazendo uma observação apertada de determinados órgãos do veículo, possa ter uma noção de que tipo de veículo está a comprar.

Habitáculo

Começa por observar o índice de desgaste da viatura. Existem zonas do habitáculo veículo que lhe permite perceber a quilometragem real do veículo. Os bancos coçados ou rotos, encostos de cabeça desgastados, a fita do cinto de segurança esgaçada, moca e fole da alavanca de velocidades deteriorados, botões do rádio e dos vidros eléctricos com desgaste acentuado e o volante bastante coçado, são indicadores mais que suficientes para anunciar que a viatura tem quilometragem a mais do que realmente tem.

Teste Drive

Nunca se fique pela compra da viatura sem a testar primeiro. O teste drive, irá permitir que possa perceber se a viatura tem um comportamento preciso ou se denota comportamento estranho. Ou seja, se o veículo se apresenta demasiadamente solto, se tem muita folga na direcção, se a caixa de velocidades tem muita folga e se a suspensão está muito solta. Normalmente, são indícios que a viatura já foi muito utilizada.

Livro de Revisões

Nem todos os veículos usados têm livro de revisões e alguns veículos mais recentes, têm livro de revisões, mas, estão em branco. Se esse for o caso, recomendamos que faça uma pequena investigação. Solicite ao vendedor o número de chassis da viatura e procure nos centros de inspecções o registo de quilometragem, para as viaturas que têm mais de 4 anos de idade. No caso de serem viaturas que ainda não têm inspecção periódica obrigatória, procure nas oficinas do importador oficial, qual a data e quilómetros em que foi feita a última revisão. Através desses dados, ser-lhe-á mais fácil perceber se está na presença de uma viatura com mais quilómetros do que aqueles que apresenta.

Desgaste de peças

Tal como já fizemos referência neste artigo, o desgaste de algumas peças, podem indiciar mais desgaste, mas, também à algo que pode ser facilmente resolvido por quem está a vender. Bastando para isso, substituir essas mesmas peças. Mas, peça a um mecânico para verificar o estado dos discos de travão, sistema de escape, por norma um veículo com 60 ou 70 mil km, não apresentam um desgaste muito grande nesses órgãos, até porque, os travões sofrem intervenções antes.

Mecânica

É na mecânica que se podem observar alguns factores que podem revelar que a quilometragem é maior. Mas, para isso, recomenda-se a intervenção de um profissional do sector, ou seja, um mecânico da sua inteira confiança. Sugere-se a verificação da densidade e qualidade de alguns líquidos, o estado das rótulas e suspensão.

Electrónica

Como já dissemos, a maioria, se não a totalidade dos veículos modernos, estão equipados com centralinas. Estas, por regra, armazenam todas as informações relacionadas com a viatura. O que permite às oficinas especializadas, detectar a adulteração dos quilómetros do conta-quilómetros. Mas, já existem técnicos de electrónica que, removem as memórias dessas centralinas, apagando de vez os dados reveladores da fraude.

Conta-quilómetros analógicos

Para os veículos que estão equipados com conta-quilómetros analógicos, a remoção de quilómetros é feita pela via manual. Sendo eu este procedimento, obriga à abertura do painel de instrumentos, para ter acesso ao conta-quilómetros.

Assim, deve observar o estado dos parafusos que sustentam o conta-quilómetros e o respectivo painel de instrumentos. Veja se estes estão com a tinta estalada, se apresentam indícios de que já foram removidos. Verifique também, se os encaixes em plástico, estão bem encaixados.