Tudo sobre Inspecção Automóvel | Capitulo II – Tipo de Anomalias

Tudo sobre Inspecção Automóvel | Capitulo II – Tipo de Anomalias

Porque é que o meu carro chumbou a inspecção periódica automóvel?

É esta a pergunta que muitos condutores querem ver respondida depois de o seu carro ter chumbado na inspecção periódica

Depois do sucesso que foi o primeiro artigo que o Automoveis-Online escreveu acerca da inspecção periódica  automóvel e muitas dúvidas tiradas, decidimos voltar a este tema com o objectivo de o tornar ainda mais claro e completo. Assim, decidimos dividir o tema – Tudo Sobre Inspecção Automóvel – em capítulos.

Capitulo II | Tudo sobre Inspecção Automóvel – Tipo de Anomalias

Quando realiza a inspecção periódica automóvel o objectivo é obter a aprovação da mesma. Mas, quando isso não acontece é porque ocorreram anomalias do tipo grau 1, 2 e 3.

As anomalias do tipo grau 1 só podem originar chumbo de inspecção se numa mesma IPO forem detectadas seis anomalias em diferentes categorias. No entanto, para que ocorra chumbo de inspecção automóvel, basta ocorrer uma anomalia de deficiência grau 2.

Anomalias tipo grau 1:

Este tipo de deficiência não afecta gravemente as condições de funcionamento do veículo nem as suas condições de segurança, não obrigando, nova apresentação do carro para inspecção para certificação da reparação efectuada.

A exemplo disso é a divergência das dimensões dos pneumáticos.

Algumas das anomalias de tipo grau 1 mais comuns

* Revestimento do pedal do travão gasto;

* Palas do sol deficientes;

* Não funcionamento das luzes de piscas no painel de instrumentos;

* Alinhamento incorrecto alinhamento das luzes de estrada (máximos) e de cruzamento (médios) baixa.

* Bateria em mau estado ou fixações eléctricas deficientes;

* Guarda-pós em mau estado;

* Matrícula com materiais deformados sem arestas vivas;

* Deformações localizadas da jante que não ponham em causa o equilíbrio da roda;

* Pára-choques em mau estado, mas sem saliências;

Anomalia grau tipo grau 2:

Este grau de anomalias assinala deficiências que afectam gravemente as condições de funcionamento do veículo, as suas condições de segurança, ou que apresenta viciação sobre a sua identificação. Consoante o caso, o carro deve ser apresentado no centro de inspecções. A exemplo disso, são os casos de carros com o número de chassis riscado.

Algumas das anomalias de tipo grau 2 mais comuns

* Tambores ou discos engordurados com óleo e discos de travão empenados;

* Funcionamento deficiente do ABS;

* Força de travagem inadequada de uma ou mais rodas;

* Desvio da direcção superior a 10m/Km;

* Folga radial no volante superior a um oitavo de volta (45);

* Vidros com peliculas e tampão do reservatório de combustível inadequado;

* Utilização de retrovisores não homologados;

* Regulação deficiente de espelhos ou espelhos deteriorados

* Alinhamento incorrecto das luzes de estrada (máximos) e de cruzamento (médios) alto;

* Luzes de (exteriores) sem funcionar;

* Ausência de dístico de GPL, quando a viatura está equipada com GPL;

* Não funcionamento de luzes indicadoras de máximos no painel de instrumentos;

* Jantes diferentes no mesmo eixo;

* Pneus com um perfil inferior a 1,6mm de profundidade e com deformações nas paredes laterais;

* Pneus em posição de montagem incorrecto;

* Pneus com dimensão não comtemplada no livrete e diâmetro exterior diferente em mais de 5%;

Anomalias grau tipo 3:

Trata-se de uma deficiência muito grave que implica a paralisação do veículo ou somente permita a sua deslocação até ao devido local de reparação, devendo esta ser confirmada em posterior inspecção.

Booking.com
  • Luis Henriques

    Boa noite

    Gostava de saber uma questão se souberem me ajudar, tenho uma carrinha e a luz no mostrador do carro de indicação avaria. O problema da luz acesa é que o anterior proprietário alterou as luzes da matricula, no entanto ficou sempre a acusar avaria.

    Questiono se a viatura passa na inspecção, ou chumba.

    Cumprimentos

    Luís Henriques

  • maria joão mendes

    caros Senhores,

    chumbaram-me o carro pelo livrete não estar novo, está usado o desgaste próprio dos anos mas está perfeitamente legivel em todos os campos, portanto só vestigios de uso, a decisão é correta?
    informem-me por favor, pk não acho que o livrete tenha nada a ver coma segurança do carro nem sequer está para se deitar fóra, longe disso, um livrete ainda custa 30 euros sem ser necessário renová-lo.
    aguardarei vossa informação.
    cumprimentos
    maria joão mendes

    • Olá Maria João, nem só os órgãos que interferem com a segurança da viatura é que são tidos em conta o momento de aprovar ou reprovar um veículo na inspecção periódica obrigatória automóvel.

      Por exemplo, se o número de chassis do seu veículo estivesse riscado, isto é, viciado, não coloca a sua viatura em perigo, ou seja, não afecta a segurança da sua viatura, mas é o suficiente para mandar inclusive apreender a viatura.

      Se o DUA do seu veículo não estiver em conformidade é o suficiente para reprovar o seu veículo. Mas, entendemos que o inspector poderia ter recomendado antes de a chumbar que procedesse à renovação do DUA.

      Siga-nos no Facebook do Automoveis-Online – Tudo sobre o mundo Automóvel e no Google + do Automoveis-Online.

      Cumprimentos,

      A Equipa AO

  • Paulo Pires

    Boa noite. Gostaria de saber se quando amolgamos um carro para poder ter peliculas nos vidros, o facto de remoção das mesmas obriga a correcção do livrete e anotação na folha de inspecção.

    Resumindo. O meu carro esta averbado para poder ter peliculas à frente e atrás do pilar B. Mas quando fiz a 1a inspecção fui informado que poderia remover as peliculas que não teria qualquer problema. Assim fiz tirei as peliculas da frente do pilar B. Hoje fui fazer a inspeção 4 meses depois e qual o meu espento quando me dizem que sou obrigado a usar as peliculas, e no caso de as tirar que mesmo so as da frente que tenho de alterar o livrete. Isso incorreu numa anomalia na folha da inspeção. O que acho estranho pois as peliculas são averbamentos extra que a meu ver como as jantes podem ser usadas ou não. Se tiver averbado o carro para outro tipo de jantes deverei sempre poder usar a medida de origem. Porque não posso agora usar o carro sem peliculas. Alguém me consegue informar se estou errado no meu raciocínio ou se fui vitima de um técnico incompetente.

    Obrigado

    Paulo Pires

  • J. Guilherme Monteiro

    O meu carro chumbou na inspeção no dia 04/01/2016 por ter a direção assistida (elétrica) avariada. Alegaram “viciação sobre a sua identificação”. Fiquei um pouco admirado porque na inspeção anterior (04/01/2015) o carro já tinha a direção nesse estado e não fizeram qualquer anotação sobre isso e o veículo foi aprovado sem nenhuma deficiência. Gostaria de saber a vossa opinião sobre essa decisão.

    Cumprimentos,
    Guilherme Monteiro

  • Jose

    Boa noite.
    O meu carro tem de origem uns pneus 245/45/17, no documento unico tem além desta medida também a medida 225/55/16. A minha questão é se posso colocar jantes e pneus na medida 225/45/18, não estando esta medida no documento unico mas o diametro está dentro do limite dos 5% do diametro?
    Obrigado e cumprimentos.

  • Olá Daniela Gaspar, tente fazer inspecção noutro centro sem os informar de que já o fez e caso a viatura passe na inspeção, deverá fazer uma exposição ao IMTT acerca do sucedido.

    Ajude o Automoveis-Online a crescer mais. Partilhe-nos com a sua rede de amigos e siga-nos através das nossas páginas sociais, no Facebook, Google + e no Twitter. Automoveis-Online – A Sua Revista Digital de Automóveis .

    Cumprimentos,

    A Equipa AO

  • Olá Sara Machado, vamos tentar explicar da melhor forma possível.

    Imagine que o ano passado foi ao centro de inspecções e foi assinalado na ficha de inspeções, por exemplo, divergência da medida dos pneumáticos. No ano seguinte, se não tiver corrigido essa divergência e for fazer a inspecção periódica obrigatória, vai ver essa inspecção reprovada.

    Esta introdução serve para explicar qual a forma de procedimento. Assim, quando é uma anomalia reincidente, reprova na inspeção e tem 30 dias para corrigir e submeter a viatura a nova inspecção. Se nessa nova inspeção, voltar a reprovar, passa a ter 15 dias para resolver o problema e assim por ai adiante até o problema ser definitivamente resolvido. Sempre que fizer a reinspecção, tem de pagar o valor que lhe é cobrado para a fazer.

    Ajude o Automoveis-Online a crescer mais. Partilhe-nos com a sua rede de amigos e siga-nos através das nossas páginas sociais, no Facebook, Google + e no Twitter. Automoveis-Online – A Sua Revista Digital de Automóveis .

    Cumprimentos,

    A Equipa AO

  • Olá Cristiana Bailão, é o que está definido por Lei,não há como contornar.

    Siga-nos no Facebook do Automoveis-Online e no Google + do Automoveis-Online.

    Cumprimentos,

    A Equipa AO

  • Caro Paulo Rodrigues, dentro da data era uma reinspecção, 7,70€. Passada a data, é uma nova inspecção, terá que pagar o valo devido.

    Siga-nos no Facebook do Automoveis-Online – Tudo sobre o mundo Automóvel e no Google + do Automoveis-Online.

    Cumprimentos,

    A Equipa AO

  • Pode sim.

  • Olá Senhor José Dias, tendo em conta que é uma aplicação que não está normalizada nem homologada é provável que possa vir a ter problemas na Inspeção.

    Siga-nos no Facebook do Automoveis-Online – Tudo sobre o mundo Automóvel e no Google + do Automoveis-Online.

    Cumprimentos,

    A Equipa AO