Será que o carro usado que vai comprar já foi Uber?

Vai comprar um automóvel usado? Conhece o passado do veículo usado que vai comprar?

Será que o carro usado que vai comprar já foi Uber?

Será que o carro usado que vai comprar já foi Uber? Vai comprar um automóvel usado? Conhece o passado do veículo usado que vai comprar?

Aqui no Automoveis-Online já lhe passamos várias dicas para que não corra grandes riscos na hora de comprar um carro usado. Quando se está para comprar um carro usado, toda a tenção é pouca. Pois são muitas as ratoeiras que os carros usados podem trazer com eles. Não estamos, com isto, a dizer que os vendedores querem enganar deliberadamente os clientes. Não é esse o intuito do nosso artigo.

Quando o leitor está na fase de estudo para a compra de um carro usado, normalmente tem em atenção alguns factores. Como por exemplo, o preço, extras, proveniência da viatura, quilômetros, nacional ou importada, a cor o estado de conservação e outros.

Proveniência da viatura

Este é um importante fator de avaliação e valorização ou não de um carro usado. Repare, quando está a comprar um automóvel usado, se lhe disserem que esse carro é proveniente de um rent-a-car, de uma empresa de transportes, de uma escola de condução ou era Táxi, presumimos que a sua reação é de abandonar o negócio. Pois tem a ideia, correcta, de que este tipo de veículos tem mais desgaste.

Por questões de segurança, os Táxis, os Auto Escola e os Uber, são submetidos todos os anos à inspeção automóvel periódica obrigatória. Esta condição vai, pelo menos, diminuir o risco de este tipo de viatura ter problemas. Porém, há uma coisa que não deixa de ser verdade. É que este tipo de viatura tem muito mais desgaste do que as demais viaturas.

Acontece que com a entrada da UBER no mercado Português, o sector automóvel, no segmento de venda de carros em segunda mão, ou seja, automóveis usados, ficou encharcado deste tipo de automóvel. E, aos olhos do consumidor menos preparado, estes veículos passam como carros semi-novos, quando na verdade são carros que já foram UBER.

Porque é que o mercado ficou encharcado deste tipo de automóveis?

A resposta é muito simples. A maior parte dos profissionais UBER, que não estão ligados aos concessionários de marcas oficiais, compram os seus veículos com recurso ao Renting. O Renting é uma modalidade que financiamento que engloba todos serviços que o condutor UBER precisa. Ou seja, o profissional compra o carro e paga uma renda mensal que engloba, o carro para uma utilização de “X” anos e “X” quilómetros percorridos, seguro automóvel, IUC, Manutenção automóvel, pneus, entre outros serviços. Assim que terminar o que foi contratado, o profissional UBER entrega a sua viatura à empresa de renting e levanta outra nova nas mesmas condições.

Depois, a empresa de Renting vai colocar essa viatura no mercado dos veículos em segunda mão como se fosse um automóvel semi-novo ou um carro usado certificado.

Atualmente, os grandes concessionários oficiais de venda de automóveis, possuem outros ramos de actividades comerciais. Como por exemplo, o rent-a-car, financiamento, seguradora e são também agentes de exploração UBER. Ou seja, como têm frotas intermináveis de automóveis, registaram-se como entidades exploradoras e contratam motoristas para exploração UBER.

Como saber se um carro foi UBER?

A dica para o ajudar a identificar se um veículo é um veículo UBER, Auto Escola ou Táxi é a seguinte. Como é do conhecimento de todos, os veículos novos só fazem a primeira Inspeção Automóvel Periódica Obrigatória ao fim de quatro anos. Ora, sempre que um leitor estiver a comparar um carro usado com menos de quatro anos e este já tiver inspeção automóvel, isso quer dizer que o carro ou pertenceu a uma das categorias acima descritas ou foi acidentado

Para saber se um carro destes tem Inspeção Automóvel Periódica Obrigatória realizada, basta ligar a um Centro de Inspeções, fornecem a matrícula e perguntam se tem alguma inspeção realizada.

Outros fatores importantes a ter em conta durante o processo de compra de um veículo usado.

Preço

O preço é, sem dúvida, dos factores que mais contam para o consumidor. No entanto, queremos-lhe deixar-lhe a dica de que o preço não é o fator mais importante. Ou pelo menos não deve ser analisado isoladamente. Pois existem outras variáveis que vão fazer flutuar o preço final de um veículo.

Extras

Uma das variáveis que influencia o preço, são os extras. Quantos mais tiver, mais caro o carro vai ser. A questão é, será que você vai mesmo precisar desses extras todos? Há que colocar esta questão em cima da mesa de decisões. Muitas das vezes os clientes optam por comprar carros carregados de extras e depois nunca os usam.

Nacional ou Importado?

O carro usado ser nacional ou importado faz toda a diferença para o apuramento final do preço. O carro nacional, independentemente dos seus extras, tem sempre um valor comercial mais elevado do que o do carro importado. Isto porque, na hora da compra, o carro importado é também mais barato que o carro nacional. Só que a perda de valor comercial é maior no carro importado.

Mas atenção, os carros importados escondem outros problemas que o leitor deve considerar importantes. Iremos abordar esta temática dos carros importados num artigo mais para diante.

A Cor

A cor de um veículo usado é também importante na compra. Existem as cores da moda e essas determinam se o cliente vai pagar mais para ter um carro nessa cor. Uma dica, tente comprar um carro com uma cor Standard. Seguramente vai pagar menos e perder menos na hora de vender o seu automóvel.

Estado de conservação

Claramente que, quanto mais conservado o carro estiver, mais valor ele vai ter. Porém os vendedores de automóveis têm alguns truques para fazer o veículo usado parecer menos usado. Veja sempre com muita atenção o estado de degradação das alcatifas no local onde apoiam os pés, os bancos, a alavanca de velocidades, o volante e os puxadores de portas interior, estes são elementos onde o desgaste não se consegue disfarçar com tanta facilidade.

Carro de cidade ou Auto-estrada?

Este é outro factor a ter em conta. Os veículos que foram muito utilizados em cidade apresentam, por norma, muito mais desgaste que os automóveis que foram utilizados em Auto-estrada. O pára-arranca das cidades são o principal responsável por esse desgaste prematuro. Para se ter uma ideia mais clara do desgaste sofrido, um veículo de auto-estrada com cerca de 150 mil kms, representa 80 mil kms num carro de cidade.