Sabia que o cheiro a carro novo pode ser prejudicial à saúde

Sabia que o cheiro a carro novo pode ser prejudicial à saúde? Para a grande maioria das pessoas, o cheiro de carro a novo é muito agradável. Mas, o que a maioria dos compradores não sabe é que o cheiro do carro a novo pode ser prejudicial à saúde.

Quem avançou a notícia foi BBC, que diz, que o odor que encontramos num veículo novo, é o resultado de uma combinação de alguns produtos químicos, sendo que alguns deles, são extremamente tóxicos.

O cheiro a novo que encontramos nos carros novos, são a combinação dos cheiros libertados por tecidos, borrachas, solventes, adesivos, plásticos e colas que são são utilizados no processo de produção de um veículo novo. Muitos destes produtos, possuem compostos orgânicos voláteis, que podem até ser mortais, quando utilizados em determinadas quantidades.

Segundo afirmação do director de pesquisa do Centro de Ecologia de Michigan, Jeff Gearhart, “Trata-se de uma combinação química feita com diversas toxinas. Aproximadamente 200 compostos químicos podem ser encontrados nos automóveis mas, considerando que não há ninguém a fiscalizar a utilização deste tipo de materiais, os consumidores não têm noção do perigo”.

O Centro de Ecologia de Michigan, há alguns anos que tem vindo a monitorizar o processo de construção de veículos e tem vindo a avaliar os níveis de agentes químicos, que se encontram no interior dos automóveis. Apesar de admitir que houve melhorias, não deixa de referir que ainda há muito caminho a percorrer nesta área.

Na lista das substâncias que foram encontradas dentro dos veículos novos, encontramos substâncias extremamente nocivas, entre elas, temos o benzeno, tolueno, formaldeído e metais pesados.
Entre os efeitos que estas substâncias podem provocar no nosso organismo, temos uma simples dor de garganta, uma tontura, reacções alérgicas e até enjoos.

De acordo com o estudo realizado pela Agência de Protecção Ambiental dos Estados Unidos, o resultado para a nossa saúde, face à exposição continua a algumas destas substâncias, pode resultar em determinadas disfunções hormonais. Tais como, danos nos rins, fígado, disfunção da fertilidade, danos no sistema nervoso central e em casos mais extremos, cancro.

Este problema, está relacionado com os materiais que são utilizados no processo de construção do veículo e podem-nos prejudicar ao longo dos anos. Mas, o perigo maior está relacionado com os veículos mais novos, onde o cheiro é mais intenso, isto porque, é nos primeiros meses de uso que os materiais do interior estão mais propensos a libertar os vapores químicos que resultam no tal cheiro de carro novo.

Outro factor que potencia a vaporização dessas substâncias é a exposição do veículo a altas temperaturas, uma vez que activa essas substâncias por reacção com o calor. Segundo especialistas, depois de seis meses as probabilidades de gases nocivos se dissiparem cai significativamente.

Os construtores garantem que estão a estão atentos ao problema e que estão a trabalhar no sentido de encontrarem soluções para reduzir os índices de produtos químicos no interior dos automóveis. E, para isso, os construtores estão a utilizar substâncias menos nocivas, “mas, não deixam de ser nocivas”, e, melhoraram os sistemas de ventilação de ar dentro dos habitáculos e nos sistemas de filtragem de impurezas.

Alguns dos construtores, foram ainda mais longe e passaram a usar fibras naturais, nomeadamente nos revestimentos dos bancos e dessa forma conseguem uma significativa redução de agentes químicos no interior, contribuindo para a reciclagem dos materiais.

Booking.com