Made in Portugal! Cinto de segurança alerta para a fadiga

Harken é o nome do projecto português que está a desenvolver este cinto de segurança

Made in Portugal! Cinto de segurança alerta para a fadiga

Made in Portugal! Cinto de segurança alerta para a fadiga. Harken é o nome do projecto português que está a desenvolver este cinto de segurança.

Este cinto de segurança é efectivamente de uma inovação e portuguesa. O responsável pela inovação foi a empresa Borgstena, que actua no mercado têxtil para o sector automóvel. Esta, vai liderar um projecto europeu para o desenvolvimento de sensores para o banco e cintos de segurança. Sendo que a sua principal função é alertar o condutor no caso de fadiga.

O projecto que dá pelo nome de Harken, tem como valor total de investimento 1,36 milhões de euros e conta com um apoio de 1,053 milhões de euros por parte da União Europeia.

Paulo Gameiro, gestor do projecto, disse que serão desenvolvidos “ sensores não intrusivos incorporados no assento e no cinto de segurança do condutor, para medição da frequência cardíaca e respiratória”, que controlam o comportamento do condutor e actuar de forma preventiva na detecção da fadiga. “Em viagem, o condutor que começa a ficar cansado, a respiração e o ritmo cardíaco mudam e, a determinada altura, o painel de bordo do carro avisa-o para a necessidade de se parar”.

No entanto, existem no mercado alguns sistemas que detectam a fadiga. Mas, segundo o gestor do projecto, esses sistemas são ainda muito deficitários e “ altamente falíveis. Isto porque, por um lado baseiam-se no simples tratamento da imagem do rosto do condutor. Por outro lado, “são intrusivos”, uma vez que obrigam a “acrescentar alguma coisa ao automóvel e as pessoas não têm pachorra”. Factores que levam as pessoas a não querer usar esses sistemas.

O que diz Paulo Gameiro?

Paulo Gameiro, diz também que, “no mercado ainda não há sistema não intrusivo baseado em bios-sinais”, isto é, um sistema que se baseia na medição e análise de frequências de respiração e cardíaca. “Queremos que o condutor, ao entrar no carro, não tenha de ligar nada. Senta-se normalmente, põe o cinto de segurança normalmente”.

Booking.com