EP Investe, depois o povo paga.

EP Investe, depois o povo paga

Se à primeira vista parece ser uma boa notícia, mais tarde, poder-se-á dizer que não. Se não vejam o caso dos investimentos que foram efectuados no Norte e noutras localidades do país, mas com mais ênfase no Norte e que agora vão cobrar portagens nas vias que outrora eram sem custos para o utilizador, mais conhecidas por “SCUTS”.

A notícia diz que, a EP (Estradas de Portugal) anunciou que, até 2013, vai investir 246 milhões de euros na rede rodoviária Portuguesa, através de um plano de conservação que vai intervir em 14.000 km de estrada, dos quais 15,5 milhões se destinarão ao distrito de Setúbal.

Durante a apresentação pública do plano de conservação da rede rodoviária, que teve lugar no Auditório Municipal António Chaínho, em Santiago do Cacém, a EP adiantou que fará intervenções em cerca de 800 quilómetros de estradas e 332 obras de arte (viadutos e pontes) do distrito de Setúbal. “Cuidado, não é conveniente deixar construir “SCUTS”, pois actualmente estas tem custos.”

No entanto e segundo Mário Fernandes, director de Relações Institucionais da EP, “a Estradas de Portugal orçamentou um investimento total de 246 milhões de euros para os 18 distritos do país no triénio de 2010/2013, mas esta previsão é feita tendo em atenção o preço base dos concursos”. No entanto, “dado que os concursos atraíram muitas empresas, podem aparecer propostas abaixo do preço base, o que poderá fazer com que o investimento seja menor”.

Em tempo de crise, onde a palavra apertar o sinto está na ordem do dia, poderá esta notícia ser boa ou má para a nossa economia? Será que mesmo aparecendo propostas mais baixas, serão essas que vão ganhar os concursos? Vamos esperar para ver.

Booking.com