Inspecção Obrigatória a motas a partir de Outubro

Já está aprovado a inspeção obrigatória para motos

Inspecção Obrigatória a motas a partir de Outubro e irá custas cerca de 12,50€ mais IVA. O Automoveis-Online já tinha escrito um artigo,”Tudo sobre inspecção para motas – Inspecção periódica obrigatória para Motas” , que fala na possibilidade de as motos poderem vir a ter que fazer a inspecção obrigatória, tal como fazem os automóveis.

Hoje chega a confirmação e a notícia tem a chancela do JN, a quem o presidente da Associação Nacional de Centros de Inspecção Automóvel – ANCIA, Paulo Areal, acrescentou que se encontra em conversações com o Governo, no sentido de estender a inspecção obrigatória a todos os veículos de duas e três rodas, mas não só, também estão contemplados os tractores e maquinas industriais.

Segundo a informação avançada por fonte próxima do Ministério do Planeamento e das infra-estruturas, afirmou que ainda se encontra em fase de estudo a extensão da inspecção obrigatória a cilindradas mais baixas.

O responsável pelo sector acrescentou que, os Centros de Inspecções fizeram investimentos elevados para poderem fazer inspecções às motos, “correspondentes a aproximadamente 29% da sua facturação anual”, isto para dividirem um mercado de cerca de 80 mil motos, quando todos os centros realizam cerca de 5,7 milhões de inspecções todos os anos e onde a sua facturação atinge os 170 milhões de euros anuais.

Na prática, a medida prevê a inspecção obrigatória para as motos com cilindrada superior a 250 Cm3, que são cerca de 80 mil em todo o país. No entanto, a ANCIA quer que a medida se estenda a todos os motociclos e ciclomotores com cilindradas a partir dos 50 cm3 e desta forma atingir os cerca de um milhão de veículos com estas características.

O presidente da ANCIA, Paulo Areal, defende que a inspecção obrigatória de motos é ainda mais importante e urgente nas motos de menor cilindrada do que nas de maior potência, isto porque, com base nos dados estatísticos, são as motos de menor cilindrada que participam mais em acidentes de viação. “Sem grande explicação, vamos avançar com uma gama que não cobre o universo de todos os veículos de duas rodas, nem aqueles que mais estão sujeitos a acidentes” e ainda acrescentou que a associação tem ainda de assegurar que a medida abranja todas as cilindradas, “alias, a exemplo daquilo que aconteceu nos Açores, onde desde 2004 se realizam inspecções a motociclos”.

Segundo as estatísticas, morre-se muito mais em acidentes com veículos de duas rodas do que os de quatro rodas. Paulo Areal acrescenta, “por cada 100 acidentes com mortes, há três vezes mais a probabilidade de morte quando existe uma intervenção de um motociclo”.

Paulo Areal revela que, os dados que constam de um estudo da Comissão Europeia, referem que “cerca de 8% dos acidentes de veículos de duas rodas estão relacionados com falhas técnicas”, sendo que o principal problema é mesmo o condutor em si.

Booking.com